Sou chegadinha numa tv, assumi, assumo e assumirei pra quem quiser escutar.
Também comentei sobre as aulas que tenho neste curso. Aliás, disse que faria um diário de bordo e não  fiz (eu já tão sabia!).
Juntemos, ora pois, o útil ao agradável.
E o tema de hoje é… tchantchantchantchan…
Saitou-san, nossa novelinha de toda segunda.
Vamos lá, quem não concorda que um Manoel Carlos básico não seria essencial se estivéssemos tentando aprender o idioma de Camões? Ou Benedito Rui Barbosa pra fingir que parla italiano (mentira, mas não resisti!!!).
Bem, a coisa vai mais ou menos por ai. Saitou não é Helena, seus problemas não tão cabeludos, mas também é  uma mulher de valores irrefutavéis, que claro, a colocam em choque direto com a sociedade. Profundo, né?
Eu acho. Acho mesmo. Na verdade eu até choro. Mas quem me conhece sabe que isso num é tão difícil. Mas voltando a Saitou. Ela tem seus 30 anos, um filho de uns 5-6 anos, um marido que trampa fora do país, e uma visão objetiva, onde o adulto deve ensinar e fazer  (SEMPRE) a coisa certa.
Hoje, por exemplo, no decorrer da historia, seu filho pega o videogame de outra criança. Quando ela pergunta se foi ele, ele nega. Mas depois acaba confessando – essa foi a parte que chorei. Minto, essa e em outra.
Colocando isso dentro da sala de aula, a coisa fica assim: nas 2 primeiras horas vemos expressões e palavras que saem no  episódio, mas que não necessariamente conhecemos. A expressão favorita de hoje foi 口を割る(kuchiwowaru).
kuchi=boca
waru=quebrar/ romper
significado: “abrir a boca/ dedurar”

Por outro lado, a palavra de hoje foi 情けない (nasakenai). Peço atenção ao kanji 情. Esse kanji  é composto pelo radical de coração a esquerda, e o de azul 青, a direita. Coração azul… Ainda que em português não utilizamos essa expressão, acho que dá bem pra entender o significado.
Segunda que vem tem mais. Vamos ver o qual encrenca a Dona Saitou vai se enfiar.