Acho que já deixei claro como adoro kanji.
Adoro sua consistência compacta de signo e significado.
Claro, acho tudo lindo, mas isso não necessariamente quer dizer que dou a atenção merecida a essa tão maravilhosa ferramenta da comunicação escrita. Ou em outras palavras, num estudo.
Queria muito ser esse tipo de gente que num sente tanta preguiça. Essa gente que consegue se separar da vontade de não fazer nada, essa gente que sabe que a pratica sim leva a perfeição, gente que colhe os frutos da transpiração exigida.
Eu não sou essa gente, eu fico enrolando até pra fazer tarefinha, troco a maioria de programas por um na televisão e tenho a capacidade de dormir a qualquer hora.
Pronto, agora que tudo está explicado (porque afinal, tudo que disse antes não é minha culpa, mas sim fatores culturais, sociais e éticos) posso pedir desculpas antecipadas pelo resultado do Kanji Contest desse curso.
Ah! Ainda falta um outro ponto crucial: o Igor, que elevou a média do Brasil, nos posicionando em 1º lugar, me abandonou.
A colocação por países sai amanhã.